Alunos da EduSesc de Taguatinga Norte participam de projeto Territórios do Brincar

Criar contextos educativos, lúdicos e provocativos. Essa é a ideia do projeto “Territórios do Brincar”, implementado pela área de educação do Sesc-DF com base em experiências realizadas no Jardim Fabulinus, na Argentina, uma instituição de referência na formação de alunos de zero a 3 anos de idade. A ideia do projeto permite que crianças da educação infantil e do 1º ano do Ensino Fundamental possam ter experiências sensoriais por meio do contato com elementos de diversas texturas, cores e formatos. Por meio de um circuito construído com borrifador, esponja e funil, o elemento água é trabalhado de forma lúdica com os estudantes. Galhos, folhas, troncos, pedra, caixas de ovos, garrafas pets integram os territórios natural e não estruturado. Com esses elementos e com criatividade as crianças constroem castelos, pontes, torres, animais.

A iniciativa está sendo trabalhada com os alunos da Edusesc Taguatinga Norte e em breve será expandida para a Edusesc do Gama, Ceilândia e Samambaia. Ao todo, cerca de 1.100 crianças serão beneficiadas com o projeto “Territórios do Brincar”.

A ideia do projeto parte do principio de não atribuir apenas aos brinquedos e jogos industrializados a fonte de inspiração para aprendizagem lúdica, mas avançar em contextos educativos que tivessem o intento da provocação e da intencionalidade educativa por meio do brincar. Durante as atividades, os professores trabalham três territórios com as crianças: território da água, território natural e território com elementos não estruturados. Cada território tem um objetivo sempre com foco em desenvolver as habilidades e competências dos alunos. Todo esse processo de criação e percepção das crianças é realizado sem interferências dos educadores que exercem a função de mediadores apenas. 

Segundo a coordenadora de educação do Sesc-DF, Amanda Lopes Sampaio, não se deve atribuir apenas aos brinquedos ou jogos industrializados a fonte de inspiração para a aprendizagem lúdica. “A construção de espaços não formais permite às crianças a interação, o exercício da criatividade e, sobretudo, serem protagonistas do seu próprio aprendizado”, afirma Amanda. A iniciativa está sendo trabalhada com os alunos da Edusesc Taguatinga Norte e em breve será expandida para a Edusesc do Gama, Ceilândia e Samambaia. Ao todo, cerca de 1.100 crianças serão beneficiadas com o projeto “Territórios do Brincar”.