Projeto Mesa Brasil Sesc participa de debate na CNC

O programa Mesa Brasil Sesc DF participou do debate “Rodada Sustentável”, na tarde desta sexta (7), no auditório da Confederação Nacional do Comércio. O evento, realizado pela CNC, teve como finalidade a sensibilização dos empregados para atuarem de acordo com o ECOS – Programa de Sustentabilidade da instituição. O debate foi composto pela nutricionista do Mesa Brasil Sesc-DF, Karla Feijão; o analista da Embrapa, Gustavo Porpino; e o presidente da associação Recicle a Vida, Cleusimar Alves de Andrade. Mediado pela jornalista do Correio Braziliense, Simone Kafruni, a conversa abordou temas como modo de vida sustentável, coleta seletiva e desperdício de alimentos. Estiveram presentes colaboradores de diversas áreas da CNC.

O Ecos foi lançado em 2010 pela CNC, Sesc e Senac, com base em um pensamento para uma sociedade justa, para o desenvolvimento economicamente viável e ecologicamente correto. O programa direciona as três entidades a planejarem ações conjuntas para reduzir impactos ambientais e contribuir com boas práticas de sustentabilidade, seja no trabalho, em casa ou na cidade.

Elienai Tavares Câmara, gerente de comunicação da CNC, afirmou que o Ecos é muito pertinente, já que por intermédio do programa, as entidades otimizam seus recursos e reduzem impactos socioambientais. “Nós estamos sintonizados em um único propósito: o da mudança de atitude, de comportamento e de hábitos. Se queremos um mundo melhor no futuro, temos que começar a agir agora. Essa responsabilidade é de todos nós”, explicou.

A nutricionista do Mesa Brasil no DF, Karla Feijão, ressaltou que o programa tem um grande significado para o cenário atual. “São pequenas ações que contribuem para um grande movimento de caráter mundial. Cada um de nós tem que ter a consciência de que, realizando nosso papel, faremos parte de um grupo enorme que se preocupa em evitar o desperdício de alimentos”.

O analista da Embrapa Gustavo Porpino falou sobre o comportamento do consumidor brasileiro e ressaltou o número alarmante de desperdício praticado no Brasil. “Por família e por ano, cerca de 129 kilos de alimentos são desperdiçados. Precisamos repensar vários aspectos culturais para evitar o descarte desnecessário de resíduos”.

O presidente da cooperativa Recicle a Vida destacou que hoje a coleta seletiva é uma realidade no DF, mas que ainda precisa ser melhorada. Das 4 toneladas que recebe por mês do SLU, nem 30% pode ser aproveitada.”Acredito que a população quer reciclar, mas ainda está aprendendo. A forma do brasiliense reciclar lixo deixa a desejar. Tanto em quantidade quanto na qualidade do lixo descartado”, finalizou.